Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Química’ Category


Estou tentando falar sobre isso aqui no Pesquisas de Química. O assunto não tá dando lá muito ibope, mas… Não é pra produzir e vender mais Sempre Livre, mas pra entender muita coisa e de cunho mais social, ambiental e químico. Daí vem a minha antiga e imensa vontade de mudar esses padrões, pois sempre me incomodou muito a questão do consumo e descarte dos absorventes, do que eles são feitos, se são degradáveis, se o uso é saudável, higiênico etc… Por que não mudar os valores, educação, cultura, paradigmas da questão dos absorventes para alternativas mais econômicas e sustentáveis, mais ambientais? Comprar modess todo mês e usar por vários dias, 2 ou 3 x por dia, trocar toda hora, etc… Interno ou o normal, é mto gasto, é muito descarte. Praonde vai tudo isso, do que é feito esse absorvente e qual seria a forma de gestão desse resíduo e qual impacto causa ao meio ambiente. Complicado. Hoje existem várias alternativas mais sustentáveis como as calcinhas menstruais e coletores, que inicialmente parecem economicamente caros, mas são muito mais duráveis e vão gerar muito menos gastos de absorvente e gerar menos resíduo, consequentemente impactar menos o meio ambiente. Agora pensem: por que o governo quando houve aquela polêmica toda não investiu em palestras, aulas e formação de professores para educar suas alunas de escolas e em clínicas da família e postos de saúde e hospitais não fizeram uma reeducação da população para o uso desses métodos? Qual interesse nos convênios com empresas como Sempre Livre e outras para distribuição de absorventes? Não poderíamos mudar de lugar e ocupar outro tipo de geração que além de diminuir a pobreza menstrual, ser mais digna e também mais sócioambientalmente consciente?

Leia sobre: https://revistatrip.uol.com.br/tpm/dignidade-menstrual?fbclid=IwAR1dLjrsp7UayWwys08Tf44YiIzuJJq06Mt-7M7hxpAeMOira-ONhlTdABo

Read Full Post »


O que tem na menstruação: estudo revela composição surpreendente - VIX
Fonte: Vix

Vamos falar um pouco do que acontece quando uma mulher todo mês menstrua?

O que tem a ver esse assunto com a química, professora?

TUDO!

Primeiramente, quando a mulher menstrua há um ciclo hormonal pelo qual ela passa que há toda uma mudança dos pHs de vários órgãos e da sua parte íntima. Há uma concentração maior ou menor de produção de hormônios, ativação de glândulas, etc…

Mas isso não é da área médica, professora?

Bem… Sim, é, mas não deixa de ser BIOQUÍMICA, que é uma área bem específica da química e que muitos até a destacam e debatem se ela pertence ou não a ela. Mas enquanto eu pensar que ela faz parte da química, eu vou debatê-la, mas não descontextualizadamente do meu mundo e sociedade, pois há de se ter essa visão diferenciada de muitos professores e químicos que acham que elementos, átomos, a química de uma área é separada da outra explicam tudo e todo o funcionamento dos alimentos, do corpo, do Planeta Terra.

NÃO! Eu realmente não acho que as coisas sejam setorizadas, separadas e que expliquem isoladamente por si só, elas têm que estar num todo que fará toda diferença e até as suas propriedades farão diferença.

Voltando à química da menstruação, existem vários aspectos que vejo, principalmente, que precisam ser levados em consideração:

  • O corpo da mulher;
  • O uso de absorventes (aí eu falo de todos os tipos interno, descartáveis, reutilizáveis e dos coletores);
  • O uso de medicamentos hormonais, incluindo pílula e
  • Uso de outros métodos contraceptivos.

Podemos até dividir as postagens para não ficar muito enfadonho pra nós esse tipo de assunto, mas agora só vou fazer uma introdução, e depois continuo e vinculo as postagens a essa postagem pra todos poderem acompanhar.

Sobre o nosso corpo (sim, pois sou uma mulher e me incluo aqui nesse texto como sujeito para análise, representativamente podendo falar em nome de uma mulher também), dependendo do método de controle da nossa menstruação, tudo que eu falei acima que já está incluído nesse tópico, tudo muda.

Por isso, dou início a esse especial, introduzindo somente com a questão que coloquei e problematizando e pedindo a todos que reflitam para que nas próximas postagens possamos com o debate aprofundar o que proponho colocar aqui nesses próximos dias.

Acompanhe e comente!

Até a próxima postagem!

Read Full Post »


Antes de trazer a indicação do vídeo de um parceiro querido, o professor Caio Faiad, eu quero colocar algumas palavras sobre a minha impressão sobre o filme:

SIMPLESMENTE NECESSÁRIO!!!!

Em tempos em que vivemos polarizações de opiniões e que imputam à ciência culpas que não vêm dela, em momentos em que tudo é mais válido do que é dito pela OMS, até um fake gerado sei lá por quem, transmitido e viralizado – estratégia muito utilizada por alguns mitos, gurus, jornalistas e marqueteiros – que levam a uma guerra inacreditável do que é coerente com o absurdo, esse filme se faz muito necessário.

Mas por favor, antes de quererem nomear personagens ou comparar com qualquer semelhança a nossa realidade, saibam: O FENÔMENO É GLOBAL (não, não é produzido pela Globo! Vem de MUNDIAL, PLANETA, entendeu?), pois bem…

O filme trata de fenômenos sociais que precisamos olhar pra eles. Esses fenômenos que vêm cegando a humanidade e não a fazendo olhar até para o que está óbvio e diante de seus olhos.

Além de todos os comentários, lembrei de um paralelo que ainda não li, mas lembrei muito da peça de Brecht sobre Galileu. Lembrem, procurem, saibam do que ela fala. Justamente… Ele foi para inquisição por suas observações. Se ele usava de ética ou não, nesse caso, ao meu ver, não vem ao caso. Se ele plagiava algumas invenções e engenhocas que ele via nas feiras por onde passava, não sei se cabe, porém ele fazia ciência e não o reconheciam, pois a fé, a filosofia vigente, a Aristotélica, a reconhecida pela Igreja, não admitia o novo conceito de céu! Daí lembrei: NÃO OLHE PARA CIMA!

Enfim… Vamos tentando mostrar o óbvio e se você fizer algum paralelo, você pode substituir: “Não tome a vacina”, e vai conseguir concretizar e realizar tudo que foi dito e subentendido no filme que não dá indiretas, ele vai direto e reto, desenha e faz tudo pra que todos enxerguem bem o que está acontecendo conosco.

Feliz 2022!

Lá vai a indicação imperdível de vídeo do meu amigo, parceiro e guerreiro da divulgação científica, o professor Caio Faiad:

Read Full Post »


Faça uma doação de qualquer valor e ganhe uma lembrança digital da professora Cristiana Passinato. Envie seu comprovante para o whatsapp: 21 98601-440 ou e-mail: crispassinato@pesquisasdequimica.com

Acabamos de pagar a anuidade do nosso blog, tem anos que pagamos 96 reais por ano. Cartão da minha mamãe querida e eu reembolsando, mas como eu digo: independente que diz? Nosso projeto é independente, mas está começando a pensar em financiamentos coletivos, ações, programação, conteúdo exclusivo, clube de mentoria e tutoria, por conta desse tipo de coisa. Nem extensão e nem projeto nenhum dentro da Universidade Pública as agências de fomento e financiadoras olham com bons olhos se não tiver um caráter empreendedor e inovador, e eu penso em usar esses princípios ao meu favor pra fazer a resistência aos processos viciados e neoliberais que tanto combato e luto contra com os recursos que eles me ensinaram a utilizar. Vejo alguns amigos que são combativos utilizando bem do empreendedorismo e inovação na área da educação e cultura, pra tirar proveito de seus projetos e precisamos utilizar para o bem e nessa luta esses mecanismos que são perniciosos quando utilizados de forma individual e gerando comércio e consumo exacerbado, produzindo produtos que são vazios, ocos e que exaltam marcas ou um esquema que enaltece somente o mercado. Temos que quebrar esse ciclo vicioso de alguma forma, temos que quebrar essa cadeia dos meios produção utilizando da ciência, tecnologia, empreendedorismo e inovação, sim, e também ao nosso favor. Pra mim, temos que ser mais inteligentes, e pensar nessa revolução. A revolução utilizando do que eles usam pra poder partir pro combate e vencer. Boa tarde!

Read Full Post »


[ERRATA] O mestrado da professora Thaiza Montine foi na UFG, não na UEG, como relatado no artigo (reparem nos comentários, o comentário dela).

Peço desculpas, pois na edição parte do texto de uma das páginas se juntou ao rodapé, em uma nova edição, corrigirei alguns probleminhas e repostarei! =)

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: